Imprimir
Atualizado em quarta, 09 julho 2014, 18:53

Agrupamento de Escolas Marinha Grande Poente

O Agrupamento de Escolas Marinha Grande Poente (AEMGPoente), oficialmente instituído através do despacho 01/04/2013, do Secretário de Estado da Administração Educativa, pertence à quarta geração de agregações levadas a cabo pelo Ministério da Educação. Resultou da agregação do Agrupamento de Escolas Guilherme Stephens, instituído em 2003, com a Escola Secundária Engenheiro Acácio Calazans Duarte, que é a escola sede.
Cada uma destas escolas foi construindo, ao longo de décadas a sua identidade, a sua história. A Escola Preparatória da Marinha Grande (Guilherme Stephens) começou com uns meros pavilhões verdes e amarelos pré-fabricados, em 1972, e iniciou as turmas de 5º e 6º no ano lectivo 72/73. À época, o denominado Ciclo Preparatório (5º e 6º anos de escolaridade) era ministrado nas instalações da Escola Técnica, hoje Escola Secundária Calazans Duarte, bem como no Estabelecimento de Ensino Particular, Colégio Afonso Lopes Vieira, propriedade da Diocese de Leiria.
A construção do edifício definitivo, sensivelmente onde e como hoje se encontra, conheceu várias atribulações, decorrentes do contexto revolucionário do 25 de abril de 1974 e anos seguintes. Servia, nos finais de 70, uma população escolar de mais de mil alunos, provenientes não só da Marinha Grande e de Vieira de Leiria, mas também da Moita, da Martingança e de Pataias, freguesias do Concelho de Alcobaça e ainda de Carvide e de Amor, pertencentes ao Concelho de Leiria.
A nível da rede escolar, nos anos 80, a Escola foi perdendo todas as áreas que ultrapassavam os limites da freguesia da Marinha Grande, à medida que foram abrindo novos Estabelecimentos de Ensino Preparatório em algumas das localidades atrás referidas. Contudo, o número de alunos manteve-se praticamente constante e acima dos mil.
A partir de 1987/88 a Escola passa a ter turmas do 7º Ano de escolaridade e em 1993/94 também do 8º Ano, sendo a docência do 3º ciclo assegurada pelos professores do quadro do 2º ciclo. No entanto, a denominação deste Estabelecimento de Ensino, de acordo com o Despacho 64/SERE/93 continua a ser Escola Preparatória Guilherme Stephens.
No ano lectivo de 1994/95, a Portaria 706/94 extingue a denominação de Escola Preparatória, substituindo-a por Escola do 2º e 3º ciclos do Ensino Básico. (E.B. 2/3).
No ano lectivo de 2003/2004, a escola passou a ser sede de agrupamento, passando este a designar-se por Agrupamento de Escolas Guilherme Stephens. Veio a ser agregada no AEMGPoente, em abril de 2013. (Mais história no link Arquivo)

A Escola Secundária Calazans Duarte tem uma origem que remonta ao século XVIII, com a instalação da Fábrica de Vidro na Marinha Grande, pelo inglês Guilherme Stephens.
Em 1920 é criada a Escola de Vidreiros, que o Engº Calazans Duarte, então Administrador da mesma Fábrica, transforma na Escola Industrial de Guilherme Stephens, inaugurada em Março de 1925.
Só três décadas depois, em 1959, foi inaugurado um novo edifício, sito no lugar de Casal de Malta. Neste, projectado para quinhentos alunos e constituído por três corpos ligados por galerias cobertas, passou a funcionar a já então denominada Escola Industrial e Comercial, onde eram leccionados os cursos de Comércio, Serralharia Mecânica, Costura e Bordados e o do Ciclo Preparatório. Este último transfere-se, em 1972/73, para uma nova escola criada para o efeito, a Escola Preparatória da Marinha Grande, (actual Guilherme Stephens).
Na sequência da publicação da 1ª Lei de Bases do Sistema Educativo, de 1973, foi implementada, a partir do 25 de Abril de 74, a fusão dos dois ramos de ensino, sendo os liceus e escolas técnicas transformados em escolas secundárias. Na Escola, que fora temporariamente denominada Secundária Polivalente da Marinha Grande, passou a funcionar então o Ensino Secundário Unificado, constituído pelo Curso Geral - compreendendo os 7º, 8º e 9º anos - e pelo Curso Complementar - compreendendo os 10º e 11º anos.
Planeada para apenas quinhentos alunos, e frequentada pelo dobro, a Escola Secundária da Marinha Grande continuou a viver em regime de superlotação Em meados de 70, parte das turmas passaram a funcionar nas instalações do Colégio Afonso Lopes Vieira, que fora, entretanto, extinto. Com o passar dos anos e a progressiva degradação dos pavilhões pré-fabricados, tornou-se cada vez mais premente a construção de um novo edifício, tanto mais que em 1981 foi criado um novo ano, o 12º. Por outro lado, a publicação da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, que instituiu a escolaridade mínima de 9 anos (o Ensino Básico, a que se seguia o Ensino Secundário, de 3 anos), viria a contribuir para o reforço da afluência de alunos.
A situação de superlotação e degradação das instalações veio a ser ultrapassada com a entrada em funcionamento, no ano lectivo de 1987/88, de uma nova Escola Secundária (actual Escola Secundária do Pinhal do Rei). A partir de então, a designação da Escola passou a Secundária Nº1 da Marinha Grande até que, em 1991, lhe foi atribuído um patrono, nascendo então o nome que hoje tem: Escola Secundária Engº Acácio de Calazans Duarte.
Na década de 90, a massificação do Ensino Secundário reflectiu-se também na Escola. A escola foi ampliada, com um novo edifício, designado por Bloco B, no ano lectivo de 1997/98, em substituição dos pavilhões pré-fabricados ainda existentes.
Na década de 2000, a escola enveredou pela reintegração do Ensino Básico, com a abertura de três turmas do 3º Ciclo.
No ano lectivo 2006/07, a Escola iniciou uma nova etapa, ao ser acreditada como Entidade Promotora de um Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências (RVCC).
Em 2009, ano em que se comemoraram os 50 anos do edifício inaugurado em 1959 e em que o ensino secundária passou a integrar a escolaridade obrigatória, deu-se início a um novo processo de requalificação e construção de novos espaços. O edifício requalificado foi inaugurado em 2010.
Resistiu durante mais de uma década ao processo de agregação. Conheceu todos os modelos de gestão. No último quadriénio de existência “ a solo”, 2009 a 2013, teve como director Cesário Silva. Em Abril de 2013 torna-se sede do AEMGPoente, um Mega agrupamento de última geração. (Mais história no link Arquivo)
Entre 26 de abril de 2013 e 2 de julho de 2014, o AEMGPoente foi gerido por uma Comissão Administrativa Provisória (CAP), também presidida por Cesário Silva, nomeada por despacho da Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares.
Desde a sua criação, o AEMGPoente integra 10 estabelecimentos de ensino: os Jardins de Infância da Amieirinha e da Ordem, as escolas básicas da Amieirinha, Casal de Malta, Fonte Santa, Francisco Veríssimo, Moita e Várzea, a Escola Básica Guilherme Stephens e a Escola Secundária Engº Acácio Calazans Duarte. Em termos de população escolar, o AEMGPoente inclui mais de 2900 alunos, 240 professores incluindo Técnicos Especializados, e 95 funcionários, entre assistentes Técnicos Operacionais e Técnicos Superiores.
Em 2 de julho de 2014 tomou posse o primeiro director do AEMGPoente, Cesário Silva, que foi eleito, por unanimidade, pelo Conselho Geral Transitório, tendo sido o único candidato a concurso. Na mesma data foram igualmente empossados os restantes membros da direção, todos ex-membros da CAP: prof. Mário Marques, profª Cristina Carapinha, profª Inês Vaz e a educadora Fernanda Barosa. Esta equipa assume o compromisso de gestão do Agrupamento até final do ano letivo 2017/2018.